Leda Maria Martins

Foto: Foca Lisboa / UFMG

De Amares

Da primeira vez, foi Memórias do Tempo Espiralar.
(Nunca tinha lido crítica-poesia. Ou poesia-crítica?)
Da segunda, Performances e dramas: pequenos gestos de reflexão.
Daí foi voo rasante para A Cena em Sombras.
Naveguei,
me encantei
e agradeci a cada som de página virada em Afrografias da Memória e tantos outros.

 

Descobri que Ela estava logo ali.
Me dei conta do sobrenome,
o mesmo
que no meu sonho mais sonhado
me faz cafuné
acaricia a minha língua
o meu gesto, o meu balanço e o meu estudo.

Aqui está Ela,
alimentando minha íris preta.
Tecendo teoria e conhecimento junto com a minha gente de mão colorida.

Dessa vez, foi Cantiga de Amares.
Ela poetisa trançando horizontes
“Mirei.
Grutas
arcos
tatos.”
Tão satisfeita a íris.

A poeta Leda Maria Martins,
guardiã de muitas recompensas,
a terceira temporada da segundaPRETA
Saúda.
Sem as tuas andanças não haveria sequer
nossos pés.

Soraya Martins


Soraya Martins é Doutoranda em Literaturas de Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Mestre em Teoria da Literatura pela FALE/UFMG. Graduada em Letras – Licenciatura Português e Italiano – UFMG. Formada no Teatro Universitário (TU – UFMG), cursou Semiologia do Teatro no Dipartimento di Musica e Spettecolo dell´Università di Bologna, Itália. Desde 2011, atua no cenário artístico mineiro como atriz e pesquisadora do teatro negro brasileiro. Escreve críticas teatrais para o blog Horizonte da Cena e para o projeto segundaPRETA. Tem seu currículo trabalhos realizados junto a diversas companhias, entre elas, Companhia Candongas e outras firulas, Grupo do Beco, Caixa de Fósforos e, atualmente, trabalha com o Grupo Espanca.